Laos

Sentir-se parte de mundo protegido pela natureza. Esse é o sentimento de quem passeia pelo Mekong, principal rio que entrelinha todo o território laosiano. A influência francesa é bem nítida na arquitetura das casas espalhadas pelas cidades, em especial na capital Vientiene, e na combinação culinária. Por outro lado, a originalidade própria da história e das culturas locais estão por toda parte, sobretudo na presença dos elefantes. Ao Norte, tem Luang Prabang, cidade que foi capital do antigo reino e não pode faltar no roteiro. Mais ao centro, fica a capital Vientiene. E ao sul, ficam as duas maiores áreas de conservação, Dong Hua Sao e Nakai-Nam Theun - menina-dos-olhos para a observação de pássaros.

Laos: Um estilo próprio de encontrar as raízes

Com tanta variedade, o que é original do Laos? Sem dúvida, a chave passa por Kuang Si, maior cachoeira do país, e por Pha That Luang, templo budista de face dourada bem no centro de Vientiene, a capital do país.  Original também é a cidade de Luang Prabang, símbolo majestoso da cultura laosiana com fortes traços da arquitetura francesa, especialmente nos boulevards. Com 33 templos, dos quais os mais famosos são Long Khoun, Xieng Thong e Wisunarat, Luang Prabang enche os olhos. Para observar toda a cidade, no enclave entre os rios Mekong e Khan, vale a pena subir o Monte Phousi e assistir do ponto mais alto, no templo Chomsi, o nascer ou o pôr-do-sol. A 25 km daqui, você encontrará Pak Ou, penhasco com duas cavernas, Tam Ting e Tham Theung, que se tornaram lugar sagrado pelos quase 4 mil budas, de tamanhos e cores diferentes. Não muito longe, fica a vila Bang Xang Hai, produtora de vinho aos modos mais artesanais. Ainda é possível conhecer a famosa tribo Hmong, que vive nas montanhas, e o vilarejo singular de Ban Phanom, onde as mulheres mantêm a produção de tear que antes abastecia a família real. Feitos de algodão e seda, responsável pelo efeito cintilante,  os tecidos são expostos e fazem parte da conexão com a cultura local.

 

Programe-se | Território estreito e farto de florestas tropicais entre rios e planaltos, o Laos concentra uma boa variação de temperaturas durante o ano. Vale notar que o período mais quente em quase todo o país vai de março a maio, com temperaturas de até 40ºC. A estação chuvosa, de maio a outubro, sendo que de julho a agosto podem acontecer as chuvas mais fortes. Importante saber que, por conta da influência nas cheias dos rios, o período de agosto a novembro é o mais esperado para visitar algumas das cachoeiras mais bonitas. É o caso  da Tad Sae (ou Tat Sae), que fica a 20 km de Luang Prabang, e tem piscinas perfeitas para nadar. De novembro a março é alta temporada no norte, mas as temperaturas podem ser negativas nas regiões mais ao sul.
 

Experimente | Tanto na cachoeira de Kuang Si, um dos cartões-postais do Laos, como na de Tad Sae, existem pequenos troncos que servem de mesas para picnics. Alguns percursos serão mais interessantes se você for de bike, mas tem que ter experiência. A cidade de Thakhek, na região centro-sul na divisa com a Tailândia, também é muito favorita para escaladas e outros esportes.

 

Coloque na rota | Para conhecer a história recente do Laos, é importante visitar o Monumento e o Museu de Patuxai, em Vientiene.

 

Não esqueça | Em Luang Prabang, um momento muito esperado por todos é a cerimônia diária em que os quase 200 monges que vivem na cidade recebem as ofertas que depois serão divididas no monastério. Algumas dicas são muito válidas se você nunca participou dessa cerimônia. É ofensivo tirar fotos de perto e usar flash. O ideal é chegar antes, ficar em silêncio, não seguir os monges nem atrapalhar a fila. E, muito importante como sempre, é cobrir os ombros e as pernas.

 

Coloque na mala | Leve uma lanterna básica para visitar as cavernas. Uma garrafa de água e repelente são obrigatórios para fazer os roteiros tranquilamente.

Roteiros Sugeridos